Sindicato dos Servidores da Assistencia Social e Cultural do GDF

Com índices de violência assustadores, Casa da Mulher Brasileira continua fechada no DF

09/09/2019 16:07

 

O descaso com a Casa da Mulher Brasileira, cuja gestão é compartilhada entre o GDF (Governo do Distrito Federal) e o Governo Federal é agravado pelo aumento dos índices de violência contra a mulher. Matéria publicada pela Folha de São Paulo, com dados do Ministério da Saúde registra que, no Brasil, a cada quatro minutos, uma mulher é agredida por ao menos um homem e sobrevive. No ano passado, foram registrados mais de 145 mil casos de violência — física, sexual, psicológica e de outros tipos — em que as vítimas sobreviveram. Cada registro pode incluir mais de um tipo de violência.

A conclusão vem de dados inéditos do Sinan (Sistema de Informação de Agravos de Notificação), obtidos pela Folha via Lei de Acesso à Informação. A reportagem analisou 1,4 milhão de notificações recebidas de 2014 a 2018.

Segundo a publicação, toda vez que uma mulher procura um serviço de saúde, e o agente identifica que ela foi vítima de violência, é obrigado a notificar o caso às secretarias de saúde (o mesmo ocorre para violências sexuais, independentemente do gênero, e violências contra crianças e idosos, entre outros casos).

No Distrito Federal, a Casa da Mulher Brasileira continua fechada, o que consiste em um quadro de insegurança para as vítimas, que ficam sem o dieito aos serviços integrados como, acolhimento, registro de queixa policial, atendimento psicológico e jurídico em um só lugar. Dessa forma, a vítima de violência precisa peregrinar por vários equipamentos públicos em busca de atendimento.

Em janeiro deste ano, o GDF cehgou a anunciar que deve demolir o prédio onde funciona a CMB. Parte dele está interditado desde abril de 2018 pela Defesa Civil.

Ministra Damares não utiliza recursos para a CMB
Segundo matéria do El País, o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos possui R$ 13,7 milhões reservados no orçamento deste ano para utilizar nas unidades da CMB. O convênio de manutenção do serviço previa um repasse anual de 13,7 milhões de reais. Neste ano, segundo a administração da Casa, nada foi repassado.


Ultimas Notícias


20/09/2019

Reunião aberta discute sobre assistência social no Varjão

Ver Notícia

19/09/2019

19 de setembro - Viva os educadores sociais e o legado de Paulo Freire!

Ver Notícia

19/09/2019

Reunião aberta no Paranoá reúne população e servidores da assistência social

Ver Notícia

18/09/2019

Paranoá recebe reunião aberta do Sindsasc

Ver Notícia

20/09/2019

Ibrae precisa cumprir edital do concurso da Sedes

Ver Notícia

17/09/2019

Sindsasc faz reunião aberta em Taguatinga no dia 25 de setembro

Ver Notícia

20/09/2019

Entrevista - Reforma da Previdência - Parte 2

Ver Notícia

19/09/2019

Informes do Sindsasc - Quinta, 19/09/2019

Ver Notícia